sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Nossa presença na Intermach 2015 foi um sucesso, graças a você que nos visitou.


  Estivemos presentes na Intermach 2015 em Joinville, feira de equipamentos e máquinas.
  Foi um sucesso participar dessa feira com novas tecnologias para a produção industrial e um prazer ter a presença de todos em nosso stand, trocando ideias, experiências e conhecendo nossas linhas de produtos de limpeza e desengraxantes biodegradáveis.
  É sempre construtivo e enriquecedor ter  contato com quem produz e faz nossa indústria cada vez mais moderna e responsável social e ambientalmente.
  A ecoRenova sempre se preocupa com o ambiente de produção, desenvolvendo produtos de limpeza sem agressão nenhuma, ou seja, transformando o nível de insalubridade dessa ação em zero.
  A qualidade de  nossa tecnologia de ponta em toda linha de produtos segue essa diretriz  de preservação e, principalmente, não agressão, sustentável e limpa.

Vídeo de apresentação ecoRenova.

video

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Para ser um líder sustentável é preciso paixão, dedicação e transparência

Em uma noite de muitas histórias motivadoras, o terceiro encontro anual de líderes da Plataforma Liderança Sustentável reuniu na quarta-feira, 30 de outubro, mais de 300 executivos que lotaram o teatro da Livraria Cultura, em São Paulo. Logo no início do evento, Ricardo Voltolini, idealizador da Plataforma, apresentou as novidades, como a nova logomarca do movimento e o novo slogan: “Líderes que entregam resultados e valores.”
“Pensamos nesse slogan como a tradução fiel do que é a Plataforma, com pessoas capazes de gerar resultados sustentavelmente”, explicou Voltolini, que anunciou, ainda, dois novos programas educacionais a serem lançados em breve pela iniciativa: o “Jovem Líder Sustentável”, com o intuito de educar líderes de 15 a 22 anos; e o “Líderes Sustentáveis em Governos”, para profissionais da área pública.
Outra novidade anunciada durante o evento foi a criação da “Plataforma Liderança Sustentável Versão Executivos”. “Em nossas andanças pelo Brasil, constatamos que, em muitas empresas, o líder está muito distante da realidade do dia a dia da companhia. E os executivos, que atuam na linha de frente, nos cobravam um espaço no qual pudessem trocar experiências e motivar outros executivos”, conta Voltolini.
Os depoimentos das novas lideranças que se integraram à Plataforma nesta terceira etapa tiveram uma unanimidade: “Para ser um líder sustentável é preciso paixão, dedicação e transparência”. Essa foi a tônica de todos os discursos dos líderes da Schneider Electric, Samarco, Duratex, Santander, Even Construtora, Votorantim Metais e Renova Energia. Executivos do Itaú, Unilever e Itaipu também passam a integrar a Plataforma nesta etapa, porém não puderam estar presentes ao encontro.
Exemplos reais
Ao destacarem exemplos reais de como a sustentabilidade e o resultado podem sempre caminhar juntos, os líderes traduziram, em breves palavras, anos e até décadas de dedicação e empenho para transformar suas companhias em empresas de muito valor agregado, cuja filosofia principal é sempre a preocupação com o social. “Não é o lucro isolado que mobiliza, mas sim a possibilidade de transformação social”, ressaltou Ricardo Vescovi, da Samarco Mineração.
Ações como a capacitação de mais de 16 mil jovens na área elétrica, realizada pela Schneider; criação de um grande programa de prevenção de acidentes dentro da Samarco; microcrédito sustentável do Banco Santander; construção de prédios residenciais com certificação sustentável, da Even Construtora, entre muitas outras, denotam que a sustentabilidade advém do ato de agir, de querer transformar. “O líder sustentável deve liderar pelo exemplo, pois vale mais uma ação do que uma palavra colada na parede”, resumiu Tito Martins, da Votorantim Metais.
História do movimento
A Plataforma Liderança Sustentável nasceu em junho de 2011, a partir do primeiro livro de Ricardo Voltolini, “Conversas com Líderes Sustentáveis” (Senac/SP), com a missão de inspirar, conectar e educar novos líderes para o tema da sustentabilidade. Ela consiste, a rigor, em um conjunto de estratégias e ferramentas de gestão de conhecimento: livro, portal, videopalestras, encontros regionais, workshops, estudos, artigos e conteúdos para educadores que trabalham com o tema da sustentabilidade em escolas de negócio e universidades.
As ferramentas, conteúdos e o engajamento promovidos pela Plataforma Liderança Sustentável acabaram gerando um grande movimento, cuja meta é trabalhar 50 casos pessoais de presidentes de empresas durante um ciclo de cinco anos, com a abordagem de cinco temas em sustentabilidade: o estado da arte da liderança para a sustentabilidade (2011), educação (2012), estratégia (2013), inovação (2014), e comunicação (2015).
“Já foram realizados 186 encontros em 30 meses de existência, atingindo presencialmente 35 mil jovens líderes em todo o país. As videopalestras dos presidentes e especialistas, uma das nossas mais importantes ferramentas, já foram vistas por cerca de 250 mil pessoas”, comemora Voltolini.
(EcoD)

Gasolina que reduz emissões de carbono já substitui versão convencional.

Ciclovivo
Uma nova gasolina menos agressiva ao meio ambiente começou a ser comercializada nesta terça-feira (7), em vários postos de todo o país, para substituir a versão comum. Chamado de S-50, o novo combustível de alta eficiência possui menor concentração de enxofre, e, ao ser queimado, libera até 60% menos de gás carbônico e de óxido de nitrogênio na atmosfera do que as versões convencionais.
Desenvolvida pela Petrobras, a gasolina S-50
Concentra bem menos enxofre em sua fórmula – são 50 partes por milhão, contra as mais de 800 partes por milhão encontradas na S-800, versão anterior. Com isso, a produção do combustível e a fumaça expelida pelos veículos no trânsito causarão menores impactos na natureza e na saúde das pessoas.
O gerente de soluções da Petrobras, Frederico Kremer, explicou que a S-50 deverá trazer benefícios para toda a sociedade, sobretudo para os motoristas. Isso porque o novo combustível de alto desempenho protege o motor dos veículos devido à baixa formação de depósitos de resíduos do combustível nas válvulas, bicos injetores e câmaras de combustão. Assim, menos manutenções automotivas serão necessárias com o uso contínuo do S-50.
De acordo com o representante da empresa estatal, não haverá reajuste no preço da gasolina, mesmo com o aumento da qualidade do produto. A Petrobras também afirmou que o diesel S-1800 vai parar de ser usado para fins rodoviários, sendo substituído pelas versões S-10 e S-500, que também poluem menos. Segundo a Petrobras, as metas de redução de emissões referem-se aos motores fabricados após 2009.
Com informações do jornal O Povo.
(CicloVivo)

Índice classifica as 100 empresas mais sustentáveis do mundo

Corporate Knights, empresa canadense de assessoria em mídia e investimento, lançou nesta quarta-feira (22) o ranking Global 100 Most Sustainable Corporations in the World, que aponta quais são as 100 grandes companhias com melhores práticas de sustentabilidade corporativa no mundo.
Para determinar quais são essas empresas, o índice utiliza 12 indicadores quantitativos de sustentabilidade, entre eles: a produtividade por unidade de consumo de energia, de água e de geração de resíduos, a capacidade de inovação e a proporção do salário do CEO em relação ao do trabalhador médio.
“O Global 100 segue uma metodologia de construção de índice baseada em regras. Dividimos a sustentabilidade em suas partes componentes, e criamos o índice de baixo para cima, usando taxas e indicadores de desempenho claramente definidos”, colocou Doug Morrow, diretor de gestão da Corporate Knights.
A empresa que teve a melhor colocação neste ano foi o banco australiano Westpac Banking Corporation. Sediado em Sidney, o banco é um dos maiores fornecedores de serviços financeiros da Australásia, com uma receita anual de US$ 38 bilhões e mais de 36 mil empregados.
Segundo o Global 100, o Westpac tem uma história de liderança e inovação em sustentabilidade corporativa. Foi o primeiro banco a se unir ao Desafio do Efeito Estufa do governo australiano e a primeira instituição financeira da Austrália a criar um programa de doação para esse fim.
As outras quatro companhias que lideraram o ranking foram a norte-americana de biotecnologia Biogen Idec, a finlandesa de tecnologia e bens capitais Outotec Oyj, a gigante do petróleo norueguesa Statoil, e a desenvolvedora de softwares 3D francesa Dassault Systems.
Em se tratando de setores, o financeiro apresentou 22 empresas, seguido pelos setores de consumo e tecnologia da informação (TI), cada um com 12 companhias.
Os norte-americanos dominaram a lista, com a presença de 18 firmas no Global 100. Em seguida aparece o Canadá, com 13 empresas, e o Reino Unido e a França, cada um com oito companhias no índice.
Já os mercados emergentes não marcaram presença com tanta força, apresentando apenas três posições no ranking. Destes, contudo, o Brasil se destacou, com as firmas Natura e Brasil Foods ficando nos 23º e 95º lugares, respectivamente.
Infelizmente, o país perdeu posições no índice, já que no ano anterior a Natura figurava na segunda posição, e as empresas Cemig, Vale e Banco do Brasil ainda constavam na lista. O outro mercado emergente presente no Global 100 foi a China, com uma companhia.
(Instituto CarbonoBrasil)